ENFOCANDO NA INFO QUANDO ACONTECE

A educação e o subdesenvolvimento rural

Autor: Polan Lacki

A educação e o subdesenvolvimento rural: Jardins Suspensos da Babilônia ou hortas caseiras? Ensinar o exótico ou o útil e aplicável?

Nos países da América Latina, as escolas fundamentais rurais (do primeiro ao oitavo ou nono ano) continuam ensinando aos seus alunos a história dos faraós e das pirâmides do Egito, a altura do Everest, os impérios Romano e Bizantino, o Renascimento, a história de Luis XIV, XV e XVI e de Napoleão Bonaparte, o sistema nervoso dos anfíbios, a reprodução das briófitas e pteridófitas e, algumas delas, até o “esquema de funcionamento dos pés ambulacrários dos equinodermos”.

Enquanto entediam as crianças rurais com esses conhecimentos, absolutamente irrelevantes para as suas necessidades de vida e de trabalho no campo, perdem uma extraordinária e irrecuperável oportunidade: a oportunidade de ampliar e aprofundar o ensino de conteúdos muito mais úteis e de aplicação mais imediata na correção das ineficiências causadoras do subdesenvolvimento rural, como, por exemplo, o que as famílias rurais poderiam fazer para obter uma produção agropecuária mais abundante, mais diversificada, mais eficiente e mais rentável; quais medidas de higiene, profilaxia e alimentação elas deveriam adotar para evitar as enfermidades que ocorrem com maior freqüência no meio rural; o que deveriam fazer para prevenir as intoxicações com pesticidas e os acidentes rurais e como aplicar os primeiros socorros, quando eles não puderem ser evitados; como produzir e utilizar hortaliças, frutas e plantas medicinais; como organizar a comunidade para solucionar, em conjunto, aqueles problemas que não podem ou não devem ser resolvidos individualmente, como, por exemplo, a comercialização e os investimentos de alto custo e baixa freqüência de uso, etc.

Educar para o acúmulo de conhecimentos ou para a auto-realização?

Também perdem a oportunidade de outorgar-lhes uma melhor formação “valórica”, pois deveriam ensinar-lhes os princípios, as atitudes e os comportamentos necessários para melhorar o seu desempenho na vida familiar e comunitária, como, por exemplo: formá-los para que tenham mais iniciativa e espírito empreendedor a fim de tornarem-se menos dependentes de ajudas paternalistas; educá-los para que pratiquem a honestidade, a solidariedade, a responsabilidade e a disciplina; para que tenham consciência dos seus direitos, mas especialmente dos seus deveres; para que possuam uma ambição sadia e um forte desejo de superação, porém conscientes de que deverão concretizar estas aspirações através da perseverança e da eficiência na execução do trabalho. Essas escolas não estão cumprindo a sua função de desenvolver as potencialidades latentes das crianças rurais, de abrir-lhes novas oportunidades de auto-realização nem de formar cidadãos que, graças à sua própria vontade e competência, sejam capazes de protagonizar o autodesenvolvimento pessoal, familiar e comunitário.

Rio Nilo ou o rio da comunidade rural?

Às escolas fundamentais rurais seriam muito mais úteis se, antes de ensinarem a história da Europa ou a geografia da Ásia, ensinassem aos seus alunos a história e a geografia das suas comunidades. Se, em vez de distrair as atenções dos educandos com as  girafas e elefantes da África, lhes ensinassem como criar, com maior eficiência, os animais existentes nas suas propriedades, com a finalidade de melhorar o auto-abastecimento e a renda familiar; tais escolas seriam mais úteis se lhes ensinassem como evitar as pragas da agricultura e da pecuária, como identificar e eliminar as plantas que intoxicam os seus animais e os insetos que transmitem as enfermidades. Ao invés de fazê-las memorizar a extensão do Rio Nilo, seria mais útil ensinar-lhes como e por que deveriam evitar a poluição de um outro rio: o rio da sua comunidade.

Jardins Suspensos da Babilônia ou hortas caseiras?

Antes de abordar os Jardins Suspensos da Babilônia, seria conveniente ensinar-lhes como e por que deveriam implantar hortas e pomares diversificados nas suas propriedades e como adotar medidas de conservação do solo para que continue produzindo com altos rendimentos. Em vez de ensinar sobre os heróis das guerras dos outros continentes, deveriam ensinar-lhes sobre os “heróis” das suas próprias comunidades; sobre aqueles “heróis” que outorgaram uma educação exemplar aos seus filhos, que tiveram uma destacada participação na solução dos problemas da comunidade e que progrediram graças à sua dedicação ao trabalho bem executado e à eficiência no uso adequado dos escassos recursos disponíveis. Essas escolas deveriam mostrar aos seus alunos os bons exemplos daqueles ”heróis” da comunidade ou do município que não roubaram, que não enganaram os seus vizinhos, que não possuem vícios, que não praticam violências, que não são egoístas, etc.

Se a escola é rural deverá “agriculturalizar-se” e “ruralizar-se”

Em outras palavras, é necessário “agriculturalizar”, “ruralizar” e tornar mais realistas, mais instrumentais e mais pragmáticos os conteúdos educativos dessas escolas; também é necessário eliminar dos seus sobrecarregados currículos os conteúdos excessivamente teóricos, abstratos e com baixa probabilidade de serem utilizados na vida e no trabalho rural. Em seu lugar, deveriam ser incluídos ou ampliados conteúdos mais práticos, utilitários e aplicáveis pelos educandos na solução dos problemas mais freqüentes que eles enfrentam e continuarão enfrentando na vida cotidiana das suas propriedades, e também dos seus lares, das suas comunidades e dos mercados rurais.

Na página Polanlacki:  está demonstrada a viabilidade e facilidade de promover esta adequação curricular, através das secretarias municipais de Educação, sem necessidade de submetê-la previamente às antigas e complexas burocracias do ministério nacional ou das secretarias estaduais de Educação. Nesta página web os interessados encontrarão, entre outros, os seguintes textos que abordam esse tema:

I) A escola rural deve formar solucionadores de problemas:

II) Os agricultores necessitam de um sistema educacional que ajude a solucionar os seus problemas;

III) Buscando soluções para a crise da agricultura: no guichê do banco ou no banco da escola? Estes documentos também poderão ser obtidos gratuitamente solicitando-os através dos seguintes e-mails:

– Polan.Lacki@uol.com.br

– Polan.Lacki@onda.com.br

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Nuvem de tags

%d blogueiros gostam disto: